UPE reúne-se para tratar sobre o óleo encontrado nas praias do estado

A Vice-Reitora da UPE, Professora Maria do Socorro Cavalcanti, esteve reunida nesta quarta-feira (23/10) com o Governador Paulo Câmara e várias instituições de ensino e pesquisa para discutirem sobre o acidente ambiental causado pelo óleo encontrado no litoral pernambucano.
 
Desde início da chegada das manchas de óleo no litoral, em meados do início de setembro, Biólogos e pesquisadores da UPE estão participando de redes de discussão e acompanhando a chegada das manchas de óleo nas praias pernambucanas. Também, apoiam os Comitê de Crise da Prefeitura de Tamandaré e o Comitê de crise do Estado de Pernambuco.
 
O Professor Clemente Coelho Junior, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), tem participado de vistorias, e, também participou da reunião com o Governo do Estado. Segundo o professor, algumas informações já estão definidas:
 
• O impacto ambiental das manchas de óleo que tomam parte do litoral do Nordeste brasileiro e que chegou às praias de Pernambuco nessa quinta-feira (17) pode se prolongar por décadas. 
• A utilização de EPIs [equipamentos de proteção individual] completos, principalmente camisa de manga comprida, luvas de silicone, botas e máscara é essencial para evitar que os voluntários fiquem doentes 
• É preciso também ter o mínimo de exposição ao produto
• Há o impacto agudo, que é o recobrimento da areia, dos corais, dos manguezais e animais. 
• A decomposição desse óleo pode liberar substâncias nocivas à natureza, afetando a cadeia alimentar, contaminando organizamos  e impactando a saúde humana. A recuperação pode demorar décadas.
 
Sendo assim, a UPE reúne-se em fórum de discussão, nesta terça-feira (29/10), às 16h, na Sala dos Conselhos, para formar um Grupo de Trabalho com o objetivo de elaborar um plano articulado de ação.